domingo, 27 de julho de 2014

CURSINHO DA 12ª DIRED ENTREGA REVISTA DE Nº 03



Mais uma revista do cursinho da DIREDVEST foi entregue hoje, dia 26/07, aos alunos dos dois turnos (matutino e vespertino) no auditório – que funciona como sala de aula, aos sábados, para receber os alunos das escolas públicas da circunscrição da 12ª DIRED, que estão matriculados para o ENEM/2014.


A revista entregue hoje traz, em seu conteúdo, as disciplinas de Inglês (prof. Leudson Sandelley Almeida de Souza), Redação (prof. Francisco David Bezerra Rodrigues), Literatura/Arte (prof. Victor Silva do Carmo) e Espanhol (profª Kelly Any Vasconcelos Morais).



NOTA DA 12ª DIRED:

RELAÇÃO DE CONVOCADOS PELO SISTEMA DE COTAS PARA ESCOLA PÚBLICA
DIREDVEST/ESCOLA ESTADUAL JERÔNIMO ROSADO 


INSCRIÇÃO
NOME
IDENTIDADE



344839
Carlos Rodrigues de Aquino Pereira
003259692      SSPRN
367967
Francisca Kátia Oliveira Torres
002134522      SSPRN
359996
Itamone Duarte Costa
003425656      SSPRN
355656
Jeanderson Marcos Nunes Lopes
  1835295      SSPRN
344513
Joana Labouré Fernandes de Castro
001824427      SSPRN
351033
Maeli da Silva Rocha Ferreira
 2321631       SSPRN
355482
Tázia Giordana Costa
 2062290        SSPRN
348948
Walknéia Geycielle da Silva
03162275       SSPRN



  

sábado, 26 de julho de 2014

12ª DIRED E O PNAIC: ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO


Nas primeiras horas da manhã deste sábado, dia 26/07, na Escola Estadual Jerônimo Rosado (antigo Colégio Estadual), a movimentação já se fazia presente na entrada principal, onde, adubadas pelo zelador e funcionário público, “seu Henrique”, algumas plantas ainda traziam os pingos do orvalho da madrugada, e recepcionaram os professores – coordenadores, orientadores e cursistas – exalando, de suas folhas, o perfume característico de suas essências...
 

 ... enquanto no quadro informativo da escola, os alunos deixaram, para os visitantes do final de semana, as suas observações, preocupações e sugestões de como o lugar que vivemos pode e deve ser mais bem preservado – em todos os sentidos da vida moderna.


O pessoal de apoio (coordenadoras), formado pelas “Marias” da 12ª DIRED (Augusta, Helena e Judivânia), fazia a segunda recepção, esta, voltada para a entrega do material didático do Pacto Nacional de Alfabetização na Idade Certa – PNAIC – no seu módulo de Matemática.






Na sala Zilma Marques, a professora/cursista Mie Nakayama foi quem recepcionou os seus colegas apresentando uma dinâmica voltada para a recepção de alunos do fundamental menor.

Abaixo, o vídeo:


Em seguida, cada sala passou a sua pauta prevista e deu início aos trabalhos do 4º Encontro do Módulo de Matemática, com o tema "Organização do Trabalho Pedagógico". 
   
Abaixo, a pauta da sala Socorro Bezerra:

1 – Acolhida: leitura deleite – Estudo errado/Gabriel, o Pensador
2 – Retomada do contrato didático
3 – Exposição dialogada: retomada dos direitos e objetivos de aprendizagem no ensino da matemática – apresentação de slides
4 – Leitura coletiva: diferentes formas de planejamento (pág. 06 a 10)
5 – Vídeo em debate: diferentes formas de planejamento – dialogando com as práticas escolares
6 – Análise de relato: fio de contas – afinal de contas o que garante um bom planejamento? (Atividade prática)
7 – Análise de relato: trabalhando em um ambiente de aprendizagem – fazendo a aula acontecer
8 – Vídeo em debate: dialogando com as práticas escolares
9 – Compartilhando: analisando e planejando boas situações de aprendizagem
10 – Encerramento: mensagem final

AS SALAS

Sala Zilma Marques


Sala Sandra Diógenes


Sala Sueleide Ferreira



Sala Décima Maria


Sala Joana Torres


Sala Socorro Bezerra


Sala Lúcia Helena


Às dez horas, a coordenação autorizou uma pausa nos estudos e as professoras puderam, nos quinze minutos permitidos, andar um pouco pelos corredores, até então, vazios e silenciosos – e com isso relaxar, além de fazer um lanche fornecido pela equipe da 12ª DIRED.



Após o intervalo, os professores voltaram para as suas atividades e cumpriram a pauta de cada uma de suas salas:

Algumas atividades pedagógicas...

Sala Sandra Diógenes



Sala Socorro Bezerra



Sala Sueleide Ferreira



Sala Joana Torres



Sala Zilma Marques



Almoço...



NOTA DA 12ª DIRED:

Na sala Socorro Bezerra, hoje também, foi dia de comemorações. Na sala, três eram as aniversariantes: Socorro Bezerra (professora orientadora) e as professoras cursistas Amanda Ravena e Fátima Couto. 

Abaixo, o momento de descontração, parabéns e felicitações:














quinta-feira, 24 de julho de 2014

DIRETORA DA 12ª DIRED VIAJA A LONDRES COM ALUNOS DA CIRCUNSCRIÇÃO

A professora Magali Delfino – diretora da 12ª DIRED – viajou a Londres/Inglaterra, nesta terça (22), fazendo parte da comitiva da Feira de Ciências do Semiárido Potiguar que irá participar da 56ª edição do Fórum Internacional de Jovens Cientistas de Londres (London Internacional Youth Science Forum - LIYSF) entre os dias 23 de julho a 11 de agosto na capital inglesa.
A professora Magali Delfino ao lado do reitor da UFERSA, professor José de Arimatéia de Matos
Da circunscrição da 12ª DIRED – classificados na III Feira de Ciências –, a professora leva, sob a sua responsabilidade, da Escola Estadual Rui Barbosa, de Tibau/RN – os alunos Jhonatan Piffer e Pâmela Sibelly – e o seu professor-orientador de projeto, Victor Silva do Carmo; e do Centro de Educação Integrada – professor Eliseu Viana, de Mossoró/RN – a aluna Thatielly Thainara Silva Gomes.
Os alunos na UFERSA: de saída para o Aeroporto Internacional Aluísio Alves em São Gonçalo do Amarante
A comitiva que viaja a Londres é composta pelo professor Felipe Ribeiro (UFERSA), Celicina Borges (UFERSA), Magali Delfino (12ª DIRED) e pelos alunos: Jhonatan Piffer e Pâmela Sibelly da Escola Estadual Rui Barbosa, em Tibau; Aleksander Silva e Dennis Deniam da Escola Estadual 11 de Agosto, em Umarizal; Thatielly Thainara da Escola Estadual Eliseu Viana, em Mossoró e do professor-orientador de projeto, Victor Silva do Carmo.
Foto dos coordenadores e alunos com o reitor da UFERSA - José de Arimatéia de Matos
e as técnicas responsáveis pelo Ensino Médio da 12ª DIRED - Goretti Silva e Elizete Amorim

 OS PROJETOS E RESPECTIVOS PESQUISADORES:

Real brasileirismo: uma proposta para mudança de atitude

Escola Estadual Rui Barbosa (Tibau)
Prof. Victor Silva do Carmo (orientador)
Jhonatan Victor Gomes Piffer

Durante a experiência, os pesquisadores buscaram envolver os colegas de turma, para que, através de manifestações artísticas, mudassem a postura relacionada às aulas de Língua Portuguesa. A ideia era transformá-los em alunos mais conscientes, críticos, leitores e produtores de textos. “Como didática de reforço da teoria da disciplina, foi proposta, aos estudantes, a oportunidade de construírem um estilo de época, em que tivessem contato com expressões como literatura, pintura e música”, explicou o professor Víctor Silva do Carmo, orientador do projeto.
Aveus – Ambiente virtual educacional utilizando servidor

Escola Estadual 11 de Agosto (Umarizal)
Aleksander Rafael Silva
Dennis Deniam de Albuquerque Ribeiro

Preocupados com o descarte inadequado do lixo eletrônico, os estudantes desenvolveram um projeto para coletar e dar nova destinação a equipamentos eletrônicos que seriam descartados de maneira incorreta. Após restauração, puderam utilizar softwares livres e gratuitos, nos equipamentos projetados. Os pesquisadores realizaram um experimento, para demonstrar que aparelhos em bom estado de funcionamento, na maioria das vezes, são jogados na natureza de forma inadequada, junto com o lixo comum, o que pode ser prejudicial ao meio ambiente e à saúde humana em função de seus componentes. Os novos produtos poderão ser utilizados para a exibição de vídeos, acesso à internet, realizar pesquisas, ouvir músicas, redigir e editar textos, produzir planilhas e apresentações.
Desenvolvimento de uma pomada com atividade anti-inflamatória e cicatrizante a partir do extrato de ximenia

Escola Estadual Eliseu Viana (Mossoró)
Thatielly Thainara Silva Gomes

O projeto buscou avaliar o potencial cicatrizante e anti-inflamatório do extrato de partes vegetativas da Ximenia Americana L. (conhecida pelos nomes de ameixa-brava, ameixa da Bahia e ameixa de espinho), uma vez que a referida espécie, além de apresentar comprovada ação antimicrobiana, possui, também, uma série de metabolitos secundários com enorme potencial, culminando com a produção de medicação de uso tópico. Os resultados obtidos são de expressiva contribuição para a comunidade que utiliza fitoterápicos com a ação anti-inflamatória e cicatrizante.

Observações: Os projetos participantes do 56º LIYSF foram premiados, durante a 3ª. Feira de Ciências do Semiárido Potiguar, realizada em Mossoró, em outubro do ano passado. A Feira é parte integrante do Programa de Extensão Ciência para Todos no Semiárido Potiguar, da UFERSA – Universidade Federal Rural do Semi-Árido e da UERN – Universidade do Estado do Rio Grande do Norte, em parceria com a Secretaria de Estado da Educação e da Cultura e apoio das DIREDs – Diretorias Regionais de Educação – que integram a Feira de Ciências (8ª – Angicos, 11ª – Açu, 12ª – Mossoró, 13ª Apodi, 14ª – Umarizal, 15ª – Pau dos Ferros).



Fotos: Vanessa d’Oliveira



   

quarta-feira, 23 de julho de 2014

DIÁRIO DE UMA “IMMERSIONER”: O ENGLISH IMMERSION PROGRAM

Elise Mitra Fernandes de Mendonça, aluna da Escola Estadual Aída Ramalho Cortez Pereira, participou, de 29 de junho a 04 de julho de 2014 em Belém/PA, do English Immersion Program, que é um programa de imersão na cultura norte-americana, bem como na língua. É direcionado aos participantes que foram finalistas do programa Jovens Embaixadores, tendo em vista uma oportunidade de conhecimento para os alunos da rede pública do Brasil que se destacam dos demais por seus trabalhos voluntários e seu inglês acima da média.


O blog lançou um desafio à aluna Elise Mitra: que ela contasse, como num diário, os passos que ela deu – da preparação à  ida e a lição que ela tira da experiência vivida. Abaixo, na íntegra, o relato dela...

- Preparação:

Imagina uma jovem de 16 anos recebendo a noticia de que foi selecionada para fazer uma imersão na cultura norte-americana, com tudo pago, além da companhia de 57 jovens do Norte e Nordeste do país... Bom, assim foi para mim. Tudo parecia um sonho que se tornava realidade. Todo o conhecimento que eu buscava durante a seleção em um só lugar. Uma oportunidade que eu nunca sequer sonharia em ter, com minhas condições financeiras e estando na rede publica de ensino. Não só uma semana, mas 5 meses de pura realização, de reconhecer que o meu esforço valeu a pena e que aquilo era mais um degrau de muitos que eu poderia subir se me dedicasse.


5 de fevereiro de 2014: essa data nunca mais será a mesma... Finalmente sei quem estará durante esse programa, quem será “Immersioner” assim como eu. Aqueles questionamentos: “quem são eles?” e “de onde eles vieram?” já não eram mais barreiras... Éramos um só, já éramos uma família - a EIP Family- Belém/PA. A essa altura já havia um grupo oficial da embaixada para nos orientar sobre como proceder durante toda a preparação bem como no programa - 141 dias nos separavam da grande experiência de imersão em outra cultura bem como em outra língua...


Neste momento, senti que havia a necessidade de uma aproximação maior entre os participantes, pois não éramos mais jovens avulsos. Então resolvi fazer um grupo para os jovens que se encaminhariam para a imersão em Belém, para que nos aproximássemos mais e fizéssemos uma identidade. E não demorou muito e já estávamos pensando em mascotes, músicas para cantar nos ônibus, amigos ocultos e por ai vai... Fomos criando vínculos e mais vínculos, chats pelo Facebook, grupos no Whatsapp, chamadas via Skype e Hangout - a tecnologia estava a nosso favor. As amizades começaram a amadurecer e quanto mais o tempo passava mais conhecíamos não somente sobre as pessoas e seus sonhos, mas sobre cada estado deste grande Brasil. A imersão não estava sendo somente naquela semana, mas, sim, 5 meses antes e o conhecimento não era somente sobre os Estados Unidos da América, mas também uma imersão na cultura espalhada pelos estados que compõem o Brasil.

“Dear participants of the English Immersion Program 2014, Greeting from Belém, PA!” - 8 de maio de 2014: depois de mandar todos os documentos necessários, era hora de conhecer a terra que nos acolheria para essa imersão e saber com quem dividiríamos não só nossos quartos, mas nossas experiências, além de finalmente receber o nosso cronograma de atividades durante a semana. A cada linha do e-mail, novas expectativas e a ansiedade só aumentava... O sentimento de “somos um só” só crescia, e a cada música que partilhávamos no grupo, isso ia se tornando concreto como em uma das primeiras que falava “just know you’re not alone, cause I’m going to make this place your home”. Foi quando, em meio a tantas amizades e tantas músicas, eu e a minha colega Raquel Conceição – BA, tivemos a ideia de fazer um flash mob e não demorou muito até a Luísa saber disso e, com isso, aos poucos, nossa ideia ia tomando forma e a música escolhida foi Happy - Pharrell Williams, que é uma música que retratava bem nossa felicidade por todo aquele novo que estava se apresentando em nossas vidas.

E entre conversa vai, conversa vem, chega a hora de estruturar nosso Secret  Friend e, é claro, pensar em lembrancinhas para deixar com cada um, um pedacinho de si e de nosso estado. Depois de quase enlouquecer com tantos nomes e e-mails diferentes, consegui fazer o sorteio - ou melhor, o segundo sorteio - (O countdown continuava... estávamos a 41 dias da nossa grande experiência) e os dias foram se passando e a correria aumentando... “Meu Deus, o que preciso levar?”, “Como vai ser tudo isso?”, “O que levar para eles?”, “Meu inglês é bom o bastante?” Dúvidas e mais dúvidas que, com o tempo, desapareceram. Isso porque nós tivemos um apoio sensacional da nossa IP, por meio da Vera Reis, que estava acompanhando cada e-mail e aguentando minhas inúmeras ligações com a maior paciência do mundo. Como também do pessoal do CCBEU e do EducationUSA.


Por fim, os dias se passaram até que chegou o dia de ir para Natal - 26 de junho de 2014. Lembranças prontas, malas prontas, violão nas costas e muitos sonhos na bagagem. No dia 27 dejunho de 2014, eu, o Álex e o Igor resolvemos nos encontrar para organizar a questão de horários, check in, malas... 

Reunimos-nos, conversamos um pouco e acabamos nos conhecendo um pouco mais - melhor do que o simples contato no dia da prova do YA 2014. Agora era só uma questão de tempo: mais um dia e estaríamos começando a nossa imersão.

Para mim o EIP mais que uma simples semana de aprendizagem de outra língua e cultura foi também um grande divisor de águas. A Elise, que subiu naquele avião às 05h45min do dia 29 de junho de 2014, não se comparava à Elise que voltou de Belém depois da imersão. A sensação de que as distâncias geográficas não são mais barreiras e de que, se nós nos esforçarmos, nós conseguiremos deixar o mundo um pouco melhor do que encontramos agora faz parte do meu dia a dia.

-Experiência:

Uma das mais fantásticas experiências da minha vida: minha primeira viagem de avião, minha primeira conexão, minha primeira ida ao Norte do País, minha primeira imersão em outra língua e cultura, como também, minha primeira semana com 57 jovens de lugares tão diferentes, mas que partilharam da mesma experiência como irmãos.

E é como diz o ditado “a primeira vez a gente nunca esquece”. De certo nunca esquecerei o EIP 2014. Ele me fez ver o mundo de uma forma diferente, as pessoas de forma diferente e até mesmo de me ver de forma diferente. Ver em mim potencial para alcançar meus objetivos e, de certa forma, esse era o impulso que eu precisava para conseguir forças suficientes para seguir nessa highway que é a vida.


Ser uma boa profissional sempre foi uma meta, mas a cada dia que ia se passando, daquela semana, os sentimentos “I can and I go” iam crescendo dentro de mim. Uma descoberta gradativa do “o que eu quero ser quando crescer?” e nunca a resposta “quero ser grande!” tinha feito tanto sentido. Não importa em que área você vá atuar, se isso lhe faz feliz e se você quer isso, é isso que você vai ser e é dessa forma que você vai contribuir para um mundo melhor.


- “Voluteer Work” - desde meus 6 anos de idade que faço trabalho voluntário. Comecei na pastoral da criança, aqui em Mossoró mesmo. E sempre tive essa vontade inquietante de fazer o melhor possível, de fazer a diferença na vida das pessoas e de deixar pelo menos um sorriso ou uma palavra que as confortasse.

O nosso trabalho voluntário, durante o EIP 2014 – Belém/PA, foi na casa Ronald McDonald’s, que é uma casa de apoio e abrigo a crianças com câncer. O que mais me encanta nessa questão de trabalho voluntário é que nós sempre chegamos com o pensamento de ensinar as pessoas, de dá conforto, de formá-las e, no final, nós é que fomos formados, confortados e assistidos por elas.

Estar em contato com a dor daquelas pessoas me faz pensar: “Meu Deus, quem sou eu para estar aqui? Como eu posso ajudar?” E, no final, é esse pensamento que nos leva a buscar formas de solucionar os problemas daquelas pessoas, é a nossa sensibilidade à dor das pessoas que nos torna um bom voluntário. É saber que nada somos, mas que, em nosso nada, queremos ajudar, não por méritos, mas pelo simples sentimento de “eu dei o meu melhor, eu deixei o meu melhor”... 

Na ocasião nós conhecemos as instalações, os projetos, as crianças e fizemos nosso flash mob com elas... Conheci um menininho chamado Pedro. Ele tem câncer e tinha voltado da quimioterapia no mesmo dia (sabemos que a quimioterapia é um tratamento brutal ao corpo humano e que, no caso das crianças, quando voltam do tratamento, estão sem disposição para muita coisa, mas que com um pouco de descanso isso se vai e a alegria toma de conta novamente). Encontrei o Pedro sentadinho, sem forças para muita coisa, coloquei-o no braço e levei-o para junto das outras crianças, O Pedro não conseguia reagir a muita coisa no começo, não conseguia falar nem se mexer direito, mas mesmo assim não hesitei em conversar com ele e partilhar o quanto eu estava feliz por poder brincar com ele naquele dia. Houve o flash mob e, ao final do flash mob, o Pedro me surpreendeu descendo dos meus braços para brincar com as crianças. Deixei de presente, com ele, uma fitinha que todos os Immersioners estavam usando e que tinha escrito “Let’s cheers together!”. Numa tradução: “Juntos numa só torcida”. 


E realmente naquele momento estávamos unidos àquelas crianças que lutavam contra o câncer e víamos que juntos somos mais fortes, juntos podemos mais. A essência do trabalho voluntário é o amor, é fazer o bem sem ver a quem e, naquele dia, eu provei verdadeiramente do que é na dor trabalhar com/por amor.

O English Immersion Program, além de me proporcionar experiências com pessoas incríveis, me deu também a oportunidade de expandir meus horizontes, melhorar o meu inglês, conhecer mais sobre a cultura norte-americana (na prática), como a celebração do 4th of July, os jogos de baseball e do futebol americano; com o nosso Fun Day onde houve karaokê, American Barbecue, Pool Party, Slack Line, Soccer, Secret Friend... Mais do que isso, o English Immersion Program me preparou para a vida, me ensinou desde como fazer um check-in online e me organizar, como também valores sociais, humanos e acadêmicos (por exemplo: definir a área que vou atuar profissionalmente e o que fazer para alcançar minha meta); conhecimentos tais que levarei para toda a vida.


Por fim, minha gratidão a Deus pelo novo que apresentou em minha vida neste tempo de aprendizado;, à Embaixada Norte-Americana pelo projeto fantástico de interculturalidade com o Brasil; e à Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Norte, na pessoa de Vera Reis, pelo apoio, o carinho e incentivo recebido durante todo o processo de desenvolvimento e aplicação do programa.

Elise Mitra Fernandes de Mendonça
Immersioner 2014 – Rio Grande do Norte.



NOTA DA 12ª DIRED:

Clique no vídeo abaixo e assista...



Fotos: Elise Mitra